You are currently browsing the monthly archive for março 2007.

Aproveitando a idéia do Web Worker Daily, vou postar os links do que andei lendo esse mês. Pra começar, um blog sobre publicidade, a Casa do Galo; Tem, também um blog que dá umas dicas de como ganhar dinheiro com blogs, o Problogger (em inglês). O penúltimo é MyBlogLogs, que é um “orkut” de blogs; e, pra finalizar, o Web Worker Daily, que é um blog muito interessante, que fala sobre como ganhar dinheiro com internet, além de outras coisas sobre o mundo digital.

Por enquanto é isso.

Abraços

Anúncios

sister_type.jpg

Tá. Eu concordo que um simples: “Não use drogas” não é muito criativo. Mas por que as pessoas acham que coisas “chocantes” surtem efeitos.

Nas aulas de Redação Publicitária, e em livros, aprendi que existem duas maneiras de se vender algo: pela razão ou pela emoção. Sinceramente: eles acham que conseguem vencer uma dependencia química, ou a curiosidade dela, com uma idéia emocional? Não é como combater fogo com fogo?

A melhor maneira de combater algo como drogas, que mexem com coisas emocionais (ou alguém começa a usar drogas por outro motivo?), não seria com uma argumentação lógica? “Não use drogas, porque elas fazem mal a você”, pra mim, ao menos, faz muito mais sentido (e é muito mais convincente) que o texto do anúncio acima: “Minha irmã sempre cuidou de mim. Mesmo depois que eu fiz dela uma viciada.”

Para ver outras peças da campanha, clique no link abaixo.

Continue lendo »

nintendo_s.jpg

E é com uma pergunta, a segunda pergunta, que entendemos o que a Nintendo fez já que ela não queria mudar, mas estava num mercado que já não a aceitava mais…

A segunda pergunta: como vender, se o que os consumidores querem tudo aquilo que tu não quer oferecer? Esses tais jogadores hardcore…
A segunda resposta: resgatando antigos e, atualmente, desligados consumidores. Esses tais jogadores casuais…

Não adianta brigar de frente e ver quem tem o videogame com os gráficos mais realistas ou a fonte que esquenta mais e mais rápido, como a Sony e a Microsoft tentaram fazer. Se a Nintendo entrasse nessa onda, só teria um videogame mais caro, porque o diferencial que contaria, realmente, seriam os jogos e essa vantagem, indiscutivelmente, é da Sony.

Então a Nintendo fez um videogame com jogos simples, inovadores e divertidos. Os jogos mais populares são os de ação: pegue uma arma e mate os inimigos. Controles tradicionais são horríveis pra isso. O que você acha de fazer mira apontando pra onde você quer atirar? O Wii tem! O que você acha de brincar de luta de espada (ou sabres de luz? hein?!), brandindo a espada e retalhando inimgos como você fazia com aquela espada de plástico e a sua imaginação, quando era pequeno? O Wii tem! Fora novos tipos de jogos. Quer ser um maestro, mexendo a batuta pra lá e pra cá? O Wii tem!

E aquele som 5.1, fantástico que vai te dar uma “total imersão” de áudio, no jogo? Tanto faz se o Wii tem… A questão, nesse caso é: você tem? E uma TV de Alta Definição? O Wii, depende apenas do Wii, para uma experiência “completa”.

A Nintendo não podia abandonar seus valores, mas também sabia que, sem fazer isso, jamais seria páreo para os jogos exclusivos do Playstation, ou, quem sabe, para o poderio econômico da Microsoft. Então, ao invés de mudar a sua filosofia, resolveu mudar a maneira como os videogames são jogados. Simples, não?

Com todo o respeito as outras empresas: simples sim, mas só para quem tem os gênios que a Nintendo tem.

E é por isso que, hoje a Nintendo é a líder da nova geração. Mas será que vai continuar assim, depois que vierem Metal Gear Solid 4, e Final Fantasy XIII para o Play 3? A maioria dos analístas tem medo de dizer. Nada indica que a Nintendo vá perder a liderança. Mas, depois de perder feio para os dois Playstations, e ficar em baixa por 12 anos, todo mundo continua admirando a Nintendo… Mas acreditar nela, é outra história… Todo mundo pode até torcer, mas se parar pra imaginar, poucos conseguem ver a Nintendo como líder…

Em compensação, na equipe de marketing da Nintendo… Eles vêem muito longe.

 

Comecei essa série de posts, contando a minha experiência pessoal em relação aos videogames… e não foi por nada. Assim como eu, vários jogadores que eram considerados “hardcore”, acabaram largando os videogames da mão, mas não deixando de jogar. Viramos jogadores casuais, e/ou descobrimos o jogo em rede que, na minha opinião, até agora são melhores no PC.

No meu caso, virei um jogador, essencialmente, multiplayer. Nao que goste, somente, de jogos em rede… o meu negócio é jogo com várias pessoas. Sempre gostei de Final Fantasy, Metal Gear e vários jogos menos conhecidos que me obrigavam a ficar de 60 a 100 horas jogando. Mas sabe como é… Eu cresci.

Continue lendo »

logo_adscapemedia2.jpg

O Google está querendo abraçar o mundo? O Google quer dominar o mundo? Serão os donos do Google, na verdade, Pink e Cérebro? Dando uma breve pausa na série de post que fala sobre a estratégia de marketing da Nintendo, sou obrigado a comentar uma discussão que tem acontecido no blog Casa do Galo, no post sobre a compra da empresa AdScape Media, pelo Google (clique aqui para ver o posto da Casa do Galo).

A discussão é sobre o Google estar indo com muita sede ao pote, comprando tudo que aparece pela frente, tentando atacar em todas as frentes e, sobre a sua capacidade para fazer isso. Daí vem a indagação sobre o Google estar dando passos maiores que as pernas. Na minha opinião, a resposta para essa pergunta é: não.

Acredito que cada aquisição do Google é bem estudada, não apenas por analistas que analisam o mercado que necessita ser analisado! 😛 Ou pelos movimentos do mercado, ou projeções de empresas de consultoria. Pôxa, o Google tem o maior e mais atualizado banco de dados (talvez o mais útil). É óbvio que eles tem acesso a filtros e tipos de monitoração que nós não temos. Assim, fica muito mais fácil pra eles, descobrir para onde o mercado está apontando e para onde vai apontar.

Ou seja: eles têm todas as ferramentas para saber onde estão pisando…

Fora que o Google sempre pareceu uma empresa que aprende com os erros. Com os erros dos outros e, principalmente, com os seus. Lembra que eles fizeram o burocrático “Google Video”? Pois é, ele surgiu depois do YouTube, que na época não era tão conhecido, mas já tinha (e continua tendo) um sistema infinitamente melhor, mais simpático e mais amigável do que aquela furada que o Google fez.

Imagine que o Google teve que gastar dinheiro e tempo na concepção, na produção e na implementação do Google Video. Depois, teve que gastar mais 1,6 bilhões de dólares para comprar o YouTube, que começou como uma brincadeira de amigos. Não é difícil tirar uma lição daí.

Então, ela deve ter analisado bem o mercado e as vontades das pessoas e dos desenvolvedores de jogos (e dos consumidores deles), e viu que comprando uma empresa que já tem uma certa experiência em um mercado pouco coberto, seria uma ótima possibilidade de expandir o seu popular programa de publicidade, o Google Adwords que, de tão bom, passou da alternativa dos blogueiros e sites pequenos, para a inserção em grandes portais, como o Terra, por exemplo.

Fora que, acredito eu, essa publicidade em games, será uma ótima maneira para desenvolvedores independentes que fazem ótimos jogos como o Savage, e o (também muito bom) RPG Online gratuíto SilkRoad, ganharem dinheiro mais facilmente, e continuarem produzindo ótimos games gratuitamente. Assim, as pessoas terão um acesso mais fácil à diversão. Quem se diverte é feliz. E quem é feliz, abre a mão mais facilmente. Assim, o Google continua enchendo o bolso, e compartilhando com os internautas, principalmente, os produtores de conteúdo.

Por isso não acredito que o Google esteja dando passos maiores que as pernas. Eles têm muitas ferramentas, e inteligência, que os ajudam a caminhar.

Mesmo com vários jogadores deixando de jogar, a indústria dos games vive um ótimo momento. Os jogos dão mais dinheiro que o cinema, vendendo bilhões de dólares. O problema da Nintendo é que ela não estava faturando tanto assim, e queria voltar a faturar tanto quanto na época do Nes e do SNES. O que ela fez? Analisou o cenário e viu que a melhor decisão, era ser covarde.

A primeira pergunta: como estava o mercado?
A primeira resposta: nada bem para a Nintendo.

Continue lendo »

Eu adoro a Nintendo. Não sou um “ista”, só sou um fã. Tive um Super Nes, e depois um Playstation. Sempre fui um daqueles jogadores “hardcore”, com um save de 100% em Final Fantasy 8 (o meu favorito), que levou umas 160 horas. Só que cresci, descobri novos interesses, ganhei novas responsabilidades. Sabe, não tenho mais como me dedicar (e nem paciência pra isso) tanto em um jogo. Eu canso. Hoje em dia só jogo no PC. Mas isso está a ponto de mudar.

Sabe o que significa esse meu pequeno relato pessoal? Marketing e uma fantástica administração de empresa.

Vou contar essa história de trás para frente. Infelizmente não tenho dados atualizados (os números atualizados das vendas saem em abril), mas usar os relatórios de venda do dia 7 de Janeiro.

Continue lendo »

Titulo cretino para expor algo que eu já pensei e, em um momento ou em outro, todas as pessoas que já passaram por uma faculdade de comunicação já passaram: Ter a vontade de abrir uma empresa com os amigos. Então achei um post sobre isso no Web Worker Daily (Do you dare to work with friends/).

Já pensei muito nisso, principalmente quando as oportunidades e os convites vieram. E o que, segundo o WWD, devemos levar em conta como principais problemas em potencial?

Amigos podem não fazer o que você precisa que eles façam.
Amigos podem não saber o limite do que podem fazer, então eles acabam superestimando o seu valor.
Amigos podem tomar liberdades que estranhos não tomariam.
Amigos podem não trabalhar tão dedicadamente quanto estranhos.
Amigos podem não escutar.

Acho que os principais pontos são o terceiro e o quinto. E, se tivesse que escolher o mais importante, escolheira o quinto. Sabe por quê?

Continue lendo »

MUDAMOS NOSSO ENDEREÇO PARA WWW.LUCASPEREIRA.COM/BLOG
dovemult01.jpg

E a ond Kidult dominou as mulheres, ou é só uma piada que lembra a infância delas?

Eu não sei, mas pra mim, essas “modas” do tipo Kidults são coisas, mais, de homem. Mulheres podem, até, gostar de juntar brinquedos, mas é porque elas acham bonito. Os brinquedos não fazem elas se sentirem com mais status, como acontece com os homens.

Se elas vestem uma camiseta da “Supergirl” é porque gostaram de como fica nelas (na verdade, porque acham que os outros vão gostar de como fica nelas), e não para ficar jogando lembranças na cara dos outros, nem ficar chamando risadas, como fazem os homens.

Não consigo imaginar Kidults rosa… Existem?

Veja o resto da campanha, clicando no link abaixo.

Continue lendo »

MUDAMOS NOSSO ENDEREÇO PARA WWW.LUCASPEREIRA.COM/BLOG

garfield.jpg

Kidults, segundo a Wikipedia, são adultos de meia idade que gostam de ser parte da cultura jovem, fazendo e/ou comprando coisa que, geralmente, são mais adequadas à crianças.

As vezes tenho a impressão que, assim como abaixo dos vinte, o mundo parece estar dividido entre os Emo e os outros grupos, acima dos 20 anos o mundo está dividido entre quem é Kidult e quem não é.

E os Kidults que, antes tinham uma grande força na área do consumo, comprando brinquedos mais caros do que os brinquedos para crianças, têm ganhado mais força, ainda.

Uma das provas, são esses anúncios. Ele usa personagens de desenhos animados que, certamente, eram os que os Kidults assistiam quando eram crianças (e por isso, principalmente pela sua condição de kidult), têm uma ligação emocional bem forte (lembra que são adultos crianças?).

E, quando alguém tenta te vender carro, com anúncios direcionados para a “tua tribo”, é porque vocês têm uma força de consumo muito grande.

Veja os outros anúncios dessa campanha, clicando no link abaixo.

Continue lendo »

março 2007
S T Q Q S S D
« fev   abr »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Comente e Opine

Você chegou até aqui e leu, ao menos um post. Você deve ter uma opinião sobre o assunto. Então, sinta-se livre para fazer um comentário e se fazer ouvir. Abraços

Meus Bookmarks